Liberdade financeira

.

A semana de férias que passei após um período de trabalho intenso me inspirou a escrever esse artigo. Os dias que passei com minha esposa e meus filhos até o momento me fizeram querer ter mais dias assim pela frente.

Sou médico cardiologista porque gosto de aliviar as pessoas de suas angústias e de fazer o possível para prolongar suas vidas com saúde, e essa é a minha profissão. Além da atividade como médico, comecei a atuar no segmento de investimentos há 8 anos por uma questão de identificação com uma "filosofia" na qual hoje acredito muito mais que antes, e por querer estender esses conceitos a uma quantidade crescente de pessoas.

Em 2007, li o livro Pai Rico Pai Pobre, de Robert Kiyosaki, por indicação de amigos, e isso mudaria a minha forma de pensar. Essa "filosofia" se refere às razões pelas quais as pessoas trabalham, à forma como encaram suas fontes de recursos financeiros e às escolhas de vida (opção por buscar ter tempo livre mais cedo ou aceitar aguardar a aposentaria tradicional). No seu livro Independência Financeira, Robert Kiyosaki também mostra o quadro que reproduzo abaixo com as minhas palavras:


Apesar de autoexplicativa, a imagem merece algumas observações. Os dois quadrantes da esquerda são os da maioria das pessoas, e são aqueles em que parar de trabalhar por alguns dias pode representar uma baixa na renda mensal ou problemas com o emprego. Quem tem um emprego troca apenas seu tempo e seu esforço por dinheiro. O autônomo é dono de seu emprego, é o patrão de si próprio, porém, se parar ou adoecer, seus rendimentos declinam, e está sujeito ao esgotamento para obter aumento de renda. 

Os dois quadrantes da direita são os das pessoas que podem ter o privilégio de continuar ganhando em dias nos quais não estão trabalhando. Empresário e investidor visam criar uma ou mais fontes de renda que não dependam apenas da sua força de trabalho, de trocar o seu tempo por dinheiro. Quem faz isso (quadrantes da esquerda) tem ganhos limitados, pois o dia tem apenas 24 horas. O proprietário de um negócio investe em um sistema que trabalha para gerar dinheiro, buscando ter um tempo flexível no futuro. O bom empreendedor tem visão e consegue resolver um problema que muitas pessoas têm. Nesse caso, quanto mais pessoas ele ajudar com a sua ideia, mais dinheiro irá ganhar. Já investidor coloca o dinheiro para trabalhar para ele. De acordo com o seu perfil e conhecimento, faz o dinheiro se multiplicar através de aplicações de renda fixa, ações, imóveis etc.

Grande cuidado é necessário aqui. Venho destacar a principal razão de alguns fracassos. Esse erro cabe tanto ao quadrante do empresário como ao do investidor: olhar mais para o retorno do que para os riscos. O retorno é importante porque te faz alcançar um patrimônio maior, porém o risco é ainda mais importante porque pode fazer a busca pelo retorno não justificar a empreitada (fazer com que, na comparação, o caminho convencional tivesse sido melhor). A referência é a todos os tipos de riscos, porém destaco os de liquidez e os de mercado, afinal os cenários mudam. A grande lição é pensar primeiro nos riscos, pensar em cada detalhe que pode fazer as coisas darem errado, e ter pessoas competentes de verdade ao seu lado, que sejam experientes a ponto de reconhecerem problemas antes de eles acontecerem. Superados os entraves, é usar o conhecimento para gerar valor.

A questão chave é: seria melhor aguardar a aposentadoria tradicional ou tentar conquistar a liberdade financeira aos 30, 40, 50 anos? É justamente esse o período no qual seus filhos crescem. Sem contar que todos esses anos de diferença não são um tempo muito curto, nem um tempo que você pode voltar atrás depois para fazer uma nova tentativa. Um exercício interessante é imaginar como seria se o único tempo livre não fosse aos finais de semana. 

Muitas pessoas passam a vida inteira trocando seu precioso tempo com a família por dinheiro. Não teremos a mesma energia sempre, e depender da previdência social (INSS) pode ser um risco. Deixar para pensar nisso apenas no futuro pode ser tarde, pois já nos restará menos tempo, e boa parte da vida já terá passado. Queira Deus, ainda haja saúde, e para isso também estamos aqui, mas no consultório...

E como, então, passar para o lado direito com grandes perspectivas de êxito? O quadrante mais fácil para a pessoa física comum é o do investidor. Hoje o investimento mais seguro de renda fixa gera um ganho real, ou seja, acima da inflação (veja o artigo sobre juros reais) de quase 4% para o capital (isso considerando uma boa renda fixa). Para quem investe através de seu gerente do banco, temos uma péssima notícia: você pode estar investindo no que dá dinheiro para o banco, e não para você. Há fundos de investimentos que são custodiados em bancos mas com gestores independentes, que possuem, portanto, a mesma segurança e rentabilidades superiores aos que o seu gerente lhe oferece. A sugestão que fica é investir em educação financeira. O conhecimento fará uma diferença muito grande para o seu futuro e o de sua família.  

Ricardo Loureiro


"O planejamento não diz respeito a decisões futuras, mas às implicações futuras de decisões no presente. (Peter Drucker)"