O segredo está no planejamento

.

Você vem pensando em fazer uma viagem com sua família? Trocar de carro? Fazer uma reforma na sua casa? Eu lhe digo, esses e outros desejos são possíveis e dentro do seu orçamento familiar. O orçamento é fundamental, pois ele nos ajuda a visualizar nosso consumo e a refletir como andam nossos gastos. Além disso, com ele podemos dimensionar como andam aquelas compras realizadas a prazo através de alguma forma de crédito disponível.

Pegar dinheiro emprestado para realizar desejos não está totalmente errado. O erro é utilizar esse crédito de forma inconsequente a ponto de não conseguir honrar o pagamento.  Quem paga o valor da fatura total do cartão de crédito está agindo de forma correta, pois o limite que as instituições financeiras disponibilizam nos cartões de crédito tem custo zero.

O grande problema é que a maioria das pessoas gasta mais do que pode e acaba optando por pagar a parcela mínima do cartão ao invés do valor total. De acordo com os dados do Instituto Fecomércio, publicados na Revista Fecomércio da edição de Julho/Agosto de 2013, 82,3% dos teresinenses estão endividados com o cartão de crédito. Esta realidade ocorre por dois motivos: a falta de Educação Financeira e os desejos imediatistas.

A Educação Financeira deveria ser matéria obrigatória nas escolas, pois é uma ferramenta essencial na vida das pessoas, que orienta como planejar os ganhos e gastos, favorecendo uma vida longe das dívidas, consequentemente mais tranquila. Ela é igual a andar de bicicleta, depois que se aprende, não se esquece jamais.

Os desejos imediatistas, ou seja, querer consumir tudo de uma vez só e sem planejamento atrapalham a vida financeira. Isso inflige a regra chave de finanças pessoais que é nunca gastar mais do que ganha. Recentemente, conheci uma pessoa que ganha R$ 4.450,00, tem um limite de R$ 2 mil no cartão de crédito e R$ 1 mil de cheque especial e está muito endividada pelo simples erro de achar que antes da situação atual poderia gastar R$ 7.450,00 por mês, quando de acordo com essa regra, o máximo que ela poderia gastar é o valor do seu salário R$ 4.450,00.

Uma vida financeira tranquila e equilibrada depende basicamente de um controle no nível de endividamento e geração de reserva financeira ao longo dos anos. É recomendado que o pagamento mensal das obrigações com compras a prazo não ultrapasse 25% do salários/receitas. Para descobrir qual o seu nível endividamento é necessário somar o valor da fatura dos cartões de crédito, financiamentos com aquisição de casa/apartamento/carro/moto. Essa soma deve ser dividida pelo valor das suas receitas mensais.

Caso seu nível de endividamento esteja acima de 40%, procure rever suas despesas e renegociar suas dívidas com os credores.  A reserva financeira é fundamental, pois ela garante a tranquilidade financeira. Quanto maior for essa reserva, menor será a necessidade de depender do trabalho para se sustentar. Por exemplo, um casal que tem um padrão de vida de R$ 8 mil e possui uma reserva de R$ 24 mil, equivale a uma folga de três meses. Se o casal tivesse R$ 80 mil, representaria uma folga de 10 meses.

Outra regra chave para poder realizar seus sonhos é criar reservas, isto é, economizar, não gastar tudo o que você ganha. Achei interessante a campanha publicitária lançada por um grande banco sobre o uso consciente do crédito. Em um dos vídeos um casal passa por várias vitrines e a esposa se esforça para se convencer: “Tô louca para não comprar essa bolsa”. Ao final, aparece uma cena do casal viajando, mostrando que todo sacrifício em prol de um desejo maior vale a pena. Estabeleça seus desejos, planeje seus gastos e os realize de forma gradativa.
Rafael Fernando Corrêa

Autor, Palestrante e Educador Financeiro
Bacharel em Ciências da Computação